23 de maio de 2017

caderneta de cromos # 9

No fim de semana passado, um explicando meu do oitavo ano, que costuma ter explicação ao sábado, precisou de adiar a explicação e, por especial favor, encaixei-o no domingo, às onze horas.
No domingo de manhã, eram ONZE E VINTE e o garoto AINDA não tinha chegado.
Quando a campainha tocou, ÀS ONZE E MEIA, já estava pelos azeites.
JURO!!!!!!!!
Bufava por todos os lados e mais algum, que era domingo, que ia chegar atrasada ao almoço em família, que não podia ser, que isto, que aquilo, que assim, que assado, que era preciso ter lata, que enfim!!!, onde é que já se viu isto????
Então, o garoto chegou com um grande sorriso no rosto. 
Pediu desculpa por chegar atrasado, mas que tinha estado a fazer um bolo para mim.
Trazia na mão um tupperware grande e azul e um bolo quente, acabadinho de fazer.
É nestes instantes que nos sentimos um monstro sem escrúpulos.
Não tenho palavras.
Obrigada, Luís.
Delicioso, por sinal!

22 de maio de 2017

frescas e boas # 32

A M.A.C. lançou este stick multiusos que não vamos querer deixar por mãos alheias, não senhor.
Ideais para os dias de verão, em que basta apenas uma aplicação para o nosso rosto ficar perfeito, estes sticks são iluminadores, batons, blushes, sombras e tudo aquilo que quisermos e dão cor e alegria aos dias mais quentes. 
Quicktrik stick, 33 sapatinhos, na M.A.C.-que-nós-amamos, nos tons mais saborosos!

21 de maio de 2017

o sapatinho foi à rua # 420

O look de hoje: paper bag trousers e loafers.
A verdade é que, hoje em dia, podemos aliar elegância e máximo conforto. 
Apetece dar umas voltas por aí!








20 de maio de 2017

quero este look # 89

Para os amantes de amarelo, aqui está uma sugestão gira e irreverente para os dias mais quentes.
blusa amarela, Stella McCartney €675,00
shorts, Red Valentino €350,00
mala, No. 21 €324,00
slippers, Sanayi 313 €665,00
óculos de sol, Gentle Monster €254,00

19 de maio de 2017

o sapatinho foi à rua # 419

O look de hoje foi este modelito que se tem visto nos desfiles: estilo pijama!
Os loafers dão um ar sério ao outfit  e os acessórios em pelo e pele compõem o look de forma divertida.
Nestas fotos fica a descoberto a minha nova tatuagem, no peito.
Era algo que andava a pensar já há uns tempos e nem foi tarde nem foi cedo.
Decidi-me!
Espero que gostem.
Bom dia a todos!
 
 


18 de maio de 2017

hand spinner

Passei por cá só para dizer que isto está na moda.
Chama-se hand spinner e é isso mesmo que acontece: roda-se o engenho e ele gira na nossa mão.
Dizem que é anti-stressante.
Há de muitas cores, com glitter, sem glitter e, imaginem só!, com luzes.
Pois...
Onde é que se vende?
Vende-se em todos os bazares chineses que se prezem por uma bagatela.
Depois há truques do arco da velha em que se passa o pataneco de um dedo para o outro e de uma mão para a outra e troca o passo.
Os garotos todos em peso têm um e o Bernardo não é exceção à regra.
Para ser sincera, já estou pelos cabelos com o raio dos hand spinners e só peço a Deus que esta febre acabe rápido.
Tenho dito!

17 de maio de 2017

de quatro # 39

Morri e vim parar ao céu.
Só pode!
Esta mala é simplesmente divinal!
Dizem que é da Miu Miu e são €2.500,00.


16 de maio de 2017

o sapatinho foi à rua # 418

O look, hoje, foi este.
Já quase há um ano que andava à procura da saia de tule perfeita.
Encontrei esta na Xtreme.
Os lenços usam-se incondicionalmente em qualquer altura e em todo o lado. 
Amo este look!
 
 
 

15 de maio de 2017

la la land

No fim de semana vimos o La La Land, de Damien Chazelle.
Vimos, é como quem diz.
Eu vi.
A criança desistiu logo no início do filme e o homem aguentou mais um pouco, mas não muito.
Dei por mim sozinha a devorar cada minuto deste filme delicioso.
Claro que estava com expectativas, por motivos óbvios.
Atrevo-me a dizer que este não é um filme difícil ou complexo que dê para refletir muito, mas ainda assim adorei.
La La Land é a aproximação de um musical nostálgico, doce e absorvente, passando pela comédia e um pouco pelo drama, sendo uma homenagem sincera aos clássicos de Hollywood.
Vincadamente marcado pelas quatros estações do ano, este filme, mais do que tudo, é entretenimento puro e toca-nos com a sua magia.
Emma Stone e Ryan Gosling são os atores principais.
São giros, não têm vozes fenomenais e a dança nem sempre é coordenada, mas talvez seja essa simplicidade que nos seduz.
Os diálogos têm sentido de humor e as explosões de cor são constantes, transmitindo vivacidade e alegria.
É inverno.
O filme começa numa ponte, com uma fila interminável de carros. Os condutores saem das viaturas e cantam e dançam ao estilo Fame. A letra da música é sobre as lembranças de amor, dando o mote para o tema do filme.
Mia é uma aspirante a atriz que coleciona castings e trabalha num café.
Sebastian é um pianista que está disposto a tudo para que o jazz não morra; o seu sonho é abrir um clube de jazz.
Na realidade, a arte une-os, de uma forma ou de outra, e nós compreendemos quão difícil é o mundo de quem tenta singrar nesta área.
Mia vê Sebastian pela primeira vez, à noite, num bar. Fica fascinada ao ouvi-lo tocar piano e dirige-se a ele para elogiá-lo. No entanto, a sua reação foi passar por ela e dar-lhe um encontrão.
Ainda assim, o destino acaba por uni-los irremediavelmente.
A primavera junta-os e, quando chega o verão, começam a namorar.
É um amor forte e verdadeiro.
Numa tentativa de encontrar estabilidade, Seb arranja um emprego do qual não gosta, mas que o coloca no caminho para o sucesso. Torna-se músico de uma banda bem sucedida, mas aparentemente sem grande qualidade.
As constantes digressões e a distância fazem com que ambos se afastem.
Certo dia, Mia passa pelo cinema onde deram as mãos pela primeira vez e vê que este está fechado, lançando o indício de que algo errado estaria para acontecer.
É outono e com ele vem a solidão.
A prova de fogo da carreira de Mia, entretanto, chega. Tem uma peça decisiva naquela noite, mas Seb não está lá para apoiá-la.
Então, tudo acaba entre eles.
As cores mudam.
Tudo fica escuro e triste de repente.
Passam cinco anos e vemos Mia com a vida refeita.
É uma atriz reconhecida.
Casou e tem uma filha.
É novamente inverno.
Uma noite, sai com o marido e passam por um bar. Entram e Mia encontra Seb. Ambos trocam um olhar profundo e tudo à sua volta para.
Este é o clímax do filme.
Seb senta-se ao piano e começa a tocar.
Nesse instante, a história das suas vidas refaz-se como que por magia.
O tempo volta atrás.
Mia vê Seb pela primeira vez, à noite, no bar. Fica fascinada ao ouvi-lo tocar piano e dirige-se a ele e ele beija-a longa e apaixonadamente. A partir daí, acompanha-a em todos os momentos da sua vida. São felizes. Ela fica grávida e têm um menino. Uma noite, saem os dois e passam por um bar. O mesmo bar de há pouco. Entram e quem está ao piano é o marido de Mia.
A música para e Seb aparece novamente ao piano.
Na realidade, ele esteve sempre ali.
Afinal, nem a sua música conseguiu mudar as suas vidas.

14 de maio de 2017

bra top

Esqueçam lá o crop top, pois esta estação o mini ficou micro e o bra top é a peça mais irreverente deste verão.
Ideal para usar com camisas ou t-shirts justas, em layering, os bra tops devem ser conjugados com peças masculinas e sapatos rasos.
Da esquerda para a direita:
top preto, Zara €15,95
top com bordado de contas, coleção Studio, H&M €79,99
top com massa, Dolce & Gabbana €645,00
Amo!

13 de maio de 2017

mais malas

E porque as malas são um dos acessórios mais fortes esta estação, aqui vai mais uma remessa delas, todas da Zara.
Apaixonei-me por cada uma delas.
Juro.
cesta em palha €35,95
mala em pelo azul €19,95
saco colorido com franjas €29,95
mala branca com folhos €29,95
clutch azul em palha €39,95

12 de maio de 2017

quero este look # 88

Este é um look doce e sexy, perfeito para um fim de semana descontraído.
O lenço é para ser usado no tornozelo.

sandálias de tacão, H&M €39,99
blusa em seda com folhos, H&M €89,99
calções recortados em denim, H&M €24,99
mala tote, Nannacay €131,00
lenço em seda, Fendi €142,00

11 de maio de 2017

leitura em dia # 14

A última obra que tive pela frente foi A Fada Oriana, de Sophia de Melo Breyner.
Na realidade, este foi o primeiro livro a sério que li na vida, andava eu na terceira classe.
Achei-o verdadeira e inequivocamente mágico.
Devorei-o.
Depois disso, voltei a lê-lo algumas vezes, há muitos anos. Provavelmente décadas, mas adiante.
Posso dizer-vos que a história é deslumbrante.
Que fala de uma fada boa, a fada Oriana, que fez uma promessa à Rainha das fadas que consistia em tratar dos animais, das plantas e dos homens que viviam na floresta.
Assim, tinha de tomar conta do moleiro, do lenhador, da velha que era quase cega, do homem muito rico e do poeta.
Certo dia, a fada encontrou um peixe que estava fora de água e salvou-o.
Nesse instante, viu o seu reflexo na água do rio e apaixonou-se pela sua própria imagem.
Passaram-se meses e a fada apenas se contemplava nas águas do rio e apreciava a sua beleza infindável.
Aos poucos, foi-se desviando das suas tarefas e deixou de cumprir a sua promessa.
Claro que deixar de cumprir uma promessa é algo muito sério e que traz consequências devastadoras.
Então, um dia, a rainha das fadas apareceu a Oriana e, como castigo, tirou-lhe as asas e a varinha de condão.
Oriana passou apenas a ser apenas uma menina bonita. E o mundo está cheio de meninas bonitas.
Embora se arrependesse amargamente do seu comportamento, a rainha das fadas deixa-a percorrer um longo e tortuoso caminho em que se cruza com o sofrimento que provocou aos outros.
No final, quando a velha que era quase cega se engana e cai no abismo, Oriana esquece-se de que não tem asas, atira-se no vazio e agarra-a pela perna, caindo com ela.
É nesse instante que a rainha das fadas aparece, lhe devolve as asas e a varinha e condão, e todo o equilíbrio se restabelece à sua volta.
Quando era criança, achava que a fada Oriana era o máximo. Sim. Tinha cometido um erro, mas era apenas um deslize. Afinal de contas, quem é que nunca teve um deslize na vida?
Mas, desta vez, quando li novamente o livro, irritou-me plenamente o raio da fada estar sempre a culpar a porcaria do peixe pelos seus atos.
Fada Oriana, a culpa de não teres cumprido a tua promessa não foi do peixe. A culpa foi única e exclusivamente tua. Mete isso na cabeça de uma vez por todas!
Eu sei que o peixe não era flor que se cheirasse, que, no final, foi um grande ingrato por não ter estado ao teu lado quando mais precisavas, ainda para mais devendo-te a própria vida. Ok. Mas não o culpes pelo teu narcisismo, pelo teu abandono e pela tua falta de caráter quando todos os seres vivos dependiam única e exclusivamente de ti.
Assim que aceitares isso e assumires as tuas responsabilidades, voltamos a ser amigas, ok?
De 1900 e troca o passo, com as folhas a caírem, mas bem estimadinho.

10 de maio de 2017

parfois

No outro dia de manhã, enfiei-me na Parfois do Glicínias, em Aveiro.
De todas as Parfois em Aveiro, confesso, esta é a minha preferida, já que  tem a decoração mais arrojada de todas. Para além do mais, como abre logo às 9 em ponto, dá-me imenso jeito, pois aproveito cada minuto da minha manhã, sem ter de esperar desesperadamente pelas 10 horas, que é quando a lufa-lufa dos centros comerciais começa e quando tudo abre.
Adorei o atendimento, como sempre, mas vim cá APENAS para informar-vos, em primeiríssima mão, que a Parfois-do-nosso-coração vende artigos... em prata!!!!
(palminhas de contentamento)
Precisamente.
Não me refiro a banhos de prata ou de ouro, que disso já sabíamos todinhas.
Não.
Refiro-me a 100% prata numa coleção 100% única.
Longe daqueles modelitos aborrecidos que estamos cansadas de ver nas ourivesarias, aqui encontramos peças versáteis, atuais e cheias de estilo.
Se eu gostava da Parfois, digo-vos, ainda gosto mais!
Rendi-me a este anel, por 12,99 sapatinhos, e a estes brincos, por 8,99 sapatinhos, que eu amo perdidamente.
E vocês, já conhecem a coleção?
Meus!!!

9 de maio de 2017

o sapatinho foi à rua # 417

Ontem, o vosso Sapatinho foi à rua, de manhãzinha, com o garoto e a Ippon, antes da escola começar.
Este look é um dos meus preferidos desta estação: saias compridas e blusas.
 

 


8 de maio de 2017

spots giros # 7

Já há imenso tempo que andava para ir à Porta 35.
Aliás, já TODA A GENTE foi à Porta 35.
Até parecia mal ainda não ter metido lá os pés, mas enfim.
Nem foi tarde, nem foi cedo.
Estava sozinha com o garoto, peguei nele e consolámo-nos os dois.
Para quem gosta de experimentar sensações diferentes, digo-vos que um novo conceito de hambúrguer nasceu em Aveiro e chama-se Porta 35.
Porquê este nome?
Quer acreditem, quer não, o nome surgiu através de um desafio divertido que foi lançado no Facebook: 
Troca-se Jantar por um Nome! 
Para grande surpresa de todos, a adesão ultrapassou as expectativas e mais de cem sugestões surgiram numa janela de horas. 
Dá para imaginar?
Passados dois meses, houve Porta 35, houve sim, mais precisamente, no dia 14 de maio de 2014.
Este restaurante carismático e singular situa-se na zona mais emblemática e movimentada da cidade de Aveiro, a Praça do Peixe.
É um recanto mágico, discreto e acolhedor, com um tímido balcão simpático que nos recebe de braços abertos. A música ambiente percorre os dois andares e fecha-se numa esplanada pacata que dá para a rua agitada.
Como aqui foi tudo pensado meticulosamente, as entradas sugeridas no menu são as Chaves que abrem as Portas dos deliciosos hambúrgueres.
A criteriosa escolha dos ingredientes casa paladares distintos e improváveis que vagueiam entre o doce, o salgado, o tradicional e o irreverente com uma pitada de regionalismo à mistura e muita satisfação.
As sobremesas são o Até Breve!, Volto Já!, Vou ter saudades!
Para começar, trincámos uma Chave Mestra, que são pequenas espetadas assadas de ananás e bacon, e uma Chave da Madeira, que é um bolo do caco com manteiga de alho.
Depois, enfiámo-nos os dois de cabeça num magnífico Porta ao Lado, com pão da avó, hambúrguer de frango, alface, cogumelos frescos com molho de natas, e num destemido e valente Porta dos Fundos Nova, com pão de hambúrguer, molho, hambúrguer de vaca com queijo, alface, tomate, bacon e cebola crocante ou caramelizada. 
Acompanhámos a gula toda com  deliciosas batatas com casca e orégãos e batatas doces com casca. 
A sangria estava excelente.
Podíamos ter provado umas sobremesas, que deviam ser mais do que ótimas, mas não deu. Não deu, porque estávamos cheíssimos e satisfeitos até mais não.
Às páginas tantas, a criança perguntou-me:
Mamã, por que é que este restaurante é tão escuro?
Porque é um ambiente descontraído e noturno, que nos faz sentir bem, como em casa.


 Mas há mais!