23 de maio de 2017

caderneta de cromos # 9

No fim de semana passado, um explicando meu do oitavo ano, que costuma ter explicação ao sábado, precisou de adiar a explicação e, por especial favor, encaixei-o no domingo, às onze horas.
No domingo de manhã, eram ONZE E VINTE e o garoto AINDA não tinha chegado.
Quando a campainha tocou, ÀS ONZE E MEIA, já estava pelos azeites.
JURO!!!!!!!!
Bufava por todos os lados e mais algum, que era domingo, que ia chegar atrasada ao almoço em família, que não podia ser, que isto, que aquilo, que assim, que assado, que era preciso ter lata, que enfim!!!, onde é que já se viu isto????
Então, o garoto chegou com um grande sorriso no rosto. 
Pediu desculpa por chegar atrasado, mas que tinha estado a fazer um bolo para mim.
Trazia na mão um tupperware grande e azul e um bolo quente, acabadinho de fazer.
É nestes instantes que nos sentimos um monstro sem escrúpulos.
Não tenho palavras.
Obrigada, Luís.
Delicioso, por sinal!

22 de maio de 2017

frescas e boas # 32

A M.A.C. lançou este stick multiusos que não vamos querer deixar por mãos alheias, não senhor.
Ideais para os dias de verão, em que basta apenas uma aplicação para o nosso rosto ficar perfeito, estes sticks são iluminadores, batons, blushes, sombras e tudo aquilo que quisermos e dão cor e alegria aos dias mais quentes. 
Quicktrik stick, 33 sapatinhos, na M.A.C.-que-nós-amamos, nos tons mais saborosos!

21 de maio de 2017

o sapatinho foi à rua # 420

O look de hoje: paper bag trousers e loafers.
A verdade é que, hoje em dia, podemos aliar elegância e máximo conforto. 
Apetece dar umas voltas por aí!








20 de maio de 2017

quero este look # 89

Para os amantes de amarelo, aqui está uma sugestão gira e irreverente para os dias mais quentes.
blusa amarela, Stella McCartney €675,00
shorts, Red Valentino €350,00
mala, No. 21 €324,00
slippers, Sanayi 313 €665,00
óculos de sol, Gentle Monster €254,00

19 de maio de 2017

o sapatinho foi à rua # 419

O look de hoje foi este modelito que se tem visto nos desfiles: estilo pijama!
Os loafers dão um ar sério ao outfit  e os acessórios em pelo e pele compõem o look de forma divertida.
Nestas fotos fica a descoberto a minha nova tatuagem, no peito.
Era algo que andava a pensar já há uns tempos e nem foi tarde nem foi cedo.
Decidi-me!
Espero que gostem.
Bom dia a todos!
 
 


18 de maio de 2017

hand spinner

Passei por cá só para dizer que isto está na moda.
Chama-se hand spinner e é isso mesmo que acontece: roda-se o engenho e ele gira na nossa mão.
Dizem que é anti-stressante.
Há de muitas cores, com glitter, sem glitter e, imaginem só!, com luzes.
Pois...
Onde é que se vende?
Vende-se em todos os bazares chineses que se prezem por uma bagatela.
Depois há truques do arco da velha em que se passa o pataneco de um dedo para o outro e de uma mão para a outra e troca o passo.
Os garotos todos em peso têm um e o Bernardo não é exceção à regra.
Para ser sincera, já estou pelos cabelos com o raio dos hand spinners e só peço a Deus que esta febre acabe rápido.
Tenho dito!

17 de maio de 2017

de quatro # 39

Morri e vim parar ao céu.
Só pode!
Esta mala é simplesmente divinal!
Dizem que é da Miu Miu e são €2.500,00.


16 de maio de 2017

o sapatinho foi à rua # 418

O look, hoje, foi este.
Já quase há um ano que andava à procura da saia de tule perfeita.
Encontrei esta na Xtreme.
Os lenços usam-se incondicionalmente em qualquer altura e em todo o lado. 
Amo este look!
 
 
 

15 de maio de 2017

la la land

No fim de semana vimos o La La Land, de Damien Chazelle.
Vimos, é como quem diz.
Eu vi.
A criança desistiu logo no início do filme e o homem aguentou mais um pouco, mas não muito.
Dei por mim sozinha a devorar cada minuto deste filme delicioso.
Claro que estava com expectativas, por motivos óbvios.
Atrevo-me a dizer que este não é um filme difícil ou complexo que dê para refletir muito, mas ainda assim adorei.
La La Land é a aproximação de um musical nostálgico, doce e absorvente, passando pela comédia e um pouco pelo drama, sendo uma homenagem sincera aos clássicos de Hollywood.
Vincadamente marcado pelas quatros estações do ano, este filme, mais do que tudo, é entretenimento puro e toca-nos com a sua magia.
Emma Stone e Ryan Gosling são os atores principais.
São giros, não têm vozes fenomenais e a dança nem sempre é coordenada, mas talvez seja essa simplicidade que nos seduz.
Os diálogos têm sentido de humor e as explosões de cor são constantes, transmitindo vivacidade e alegria.
É inverno.
O filme começa numa ponte, com uma fila interminável de carros. Os condutores saem das viaturas e cantam e dançam ao estilo Fame. A letra da música é sobre as lembranças de amor, dando o mote para o tema do filme.
Mia é uma aspirante a atriz que coleciona castings e trabalha num café.
Sebastian é um pianista que está disposto a tudo para que o jazz não morra; o seu sonho é abrir um clube de jazz.
Na realidade, a arte une-os, de uma forma ou de outra, e nós compreendemos quão difícil é o mundo de quem tenta singrar nesta área.
Mia vê Sebastian pela primeira vez, à noite, num bar. Fica fascinada ao ouvi-lo tocar piano e dirige-se a ele para elogiá-lo. No entanto, a sua reação foi passar por ela e dar-lhe um encontrão.
Ainda assim, o destino acaba por uni-los irremediavelmente.
A primavera junta-os e, quando chega o verão, começam a namorar.
É um amor forte e verdadeiro.
Numa tentativa de encontrar estabilidade, Seb arranja um emprego do qual não gosta, mas que o coloca no caminho para o sucesso. Torna-se músico de uma banda bem sucedida, mas aparentemente sem grande qualidade.
As constantes digressões e a distância fazem com que ambos se afastem.
Certo dia, Mia passa pelo cinema onde deram as mãos pela primeira vez e vê que este está fechado, lançando o indício de que algo errado estaria para acontecer.
É outono e com ele vem a solidão.
A prova de fogo da carreira de Mia, entretanto, chega. Tem uma peça decisiva naquela noite, mas Seb não está lá para apoiá-la.
Então, tudo acaba entre eles.
As cores mudam.
Tudo fica escuro e triste de repente.
Passam cinco anos e vemos Mia com a vida refeita.
É uma atriz reconhecida.
Casou e tem uma filha.
É novamente inverno.
Uma noite, sai com o marido e passam por um bar. Entram e Mia encontra Seb. Ambos trocam um olhar profundo e tudo à sua volta para.
Este é o clímax do filme.
Seb senta-se ao piano e começa a tocar.
Nesse instante, a história das suas vidas refaz-se como que por magia.
O tempo volta atrás.
Mia vê Seb pela primeira vez, à noite, no bar. Fica fascinada ao ouvi-lo tocar piano e dirige-se a ele e ele beija-a longa e apaixonadamente. A partir daí, acompanha-a em todos os momentos da sua vida. São felizes. Ela fica grávida e têm um menino. Uma noite, saem os dois e passam por um bar. O mesmo bar de há pouco. Entram e quem está ao piano é o marido de Mia.
A música para e Seb aparece novamente ao piano.
Na realidade, ele esteve sempre ali.
Afinal, nem a sua música conseguiu mudar as suas vidas.